Tag Archive | writing

Productive weekend

Been a nice couple of days, this weekend. I got a lot of stuff sorted out, from my papers, finance and clothes; I wrote, I crocheted, I read, I cooked and cleaned; I made sense of all electronics and cables I had lying around.
I had some fun times with my guy, got a phone call from a good friend from my home town, a visit from my bestie that lives across the street (sort of), I watched some good shows.

I am feeling generally well and good about myself, even though I feel lazy and wish the weekend had an extra day – in between Saturday and Sunday, for instance. On the other hand, I feel the urge to get things done; like planning out some blogging, writing some more on my stories – sorting out the structure to my JAFF project and getting it going, letting my curiosity about photography develop, etc. Many things.

Another thing I started doing this week, which I expect to keep up throughout the year and into the future, was practicing writing with my non-dominant hand. I think it will be an interesting exercise for my brain, as well as the meditation I have been trying to make a habit of mine (I have been slacking out a bit, especially on weekends, but I intend to keep on doing my 10 minutes during either my morning or evening commute).

I am also getting back to my physical exercise, rejoining yoga classes next Tuesday after a couple of months that I was unable to attend – in which I actually noticed the difference with the absence of this routine I was developing.

A few more plans for the upcoming year, hopefully to continue beyond that, that I’ll share as it goes along. Let’s hope this momentum I have keeps up!

How about you guys, how has this first week of the year been?

Bisous!

10 dias de Mindfulness para um Fim de Ano sereno IX

O dia 9 foi o mais difícil até ao momento. Erro e culpa apenas meus – a inteligência rara que vos escreve decidiu que ia experimentar os 10 minutos de meditação logo ao início da rotina matina, antes até do café! Não correu bem.
Sonolenta e sem foco, mas me apercebi do que se estava a passar, a mente viajou, irritei-me. Que frustração!

Todo o princípio deste exercício pareceu-me ficar derrotado, com esta vaga de ira comigo mesma por este erro e esta falha. Depois, apercebi-me que os 8 dias anteriores deram frutos e foram eficazes: libertei-me das emoções e pensamentos que teimavam em circular incessantemente na minha cabeça mais rapidamente do que o que estou habituada, simplesmente deixando-os ser, reconhecendo-os e deixando-os ir. Foi bom.

Ajudou igualmente a reconhecer a solução para este percalço: em vez de seguir para o dia 10, vou repetir o dia 9. Quero rever a animação, quero ouvir novamente as instruções, quero submergir nos 10 minutos que tanto bem me têm feito. De manhã, não consegui – a tecnologia não quis colaborar comigo. Pensei em fazê-lo na hora de almoço, mas coisas foram adiando tudo. Fica para a viagem de regresso.
Depois conto-vos como foi, este bis do dia 9. E fica o dia 10 para o último dia do ano!

Bisous!

10 dias de Mindfulness para um Fim de Ano sereno VII

Chegámos ao dia 7: sem olhos inflamados as coisas correm bem melhor!

Apesar do frio (sair da cama foi um sacrifício), o dia está lindo! Realmente é um privilégio viver neste país de sol. O céu está azul, quase sem nuvens, sereno.
É exactamente sobre o céu que fala a animação do dia 7, usando-o como metáfora para a mente. Certamente que a maioria de vós já se cruzou com aquela analogia que diz algo do género “nós somos o céu, permanente. as coisas porque passamos são as nuvens, vão aparecendo e desaparecendo mas nunca são permanentes, apenas o céu é permanente.” É um bocado por aí. Vão até à Google Play Store e procurem a Headspace, podem ver lá esta animação e as outras – e fazer os vossos 10 dias de 10 minutos de Mindfulness, gratuitos.

Hoje, foi dia de meditação em pé (os comboios já traziam muito mais pessoas) e a própria aplicação pôs a minha capacidade de me manter calma (ou me acalmar rapidamente) à prova: decidiu começar a dar erro, a repetir a animação sem seguir para o audio dos 10 minutos, e eu a stressar porque estava a perder o tempo da viagem e em andamento é um bocadinho mais difícil fazer o exercício, especialmente porque se perde a parte de estar de olhos fechados – ainda não estou preparada para esse grau de desafio, talvez no 9º dia.
De qualquer das formas, fechei a aplicação, respirei fundo, voltei a abri-la. Seleccionei o dia 7, começou a animação. Respirei fundo novamente, fechei a animação e força no play. Sucesso! Estava agitada pela irritação da tecnologia não estar a trabalhar a meu favor naquele dia, mas consegui chegar ao ponto zen pretendido. Sorri ao sair do comboio, ainda com o audio a correr os segundos finais da meditação (primeiro treino de meditar em movimento, check!)

Amanhã é o dia 8 dos 10, acho que me vou aventurar um bocadinho a tentar essa coisa de andar mindfully!
O que acham? Partilhem as vossas opiniões!

Abreijinhos!

10 dias de Mindfulness para um Fim de Ano sereno VI

De volta à rotina dos 10 minutos no comboio, hoje foi interessante por uma série de factores:
– menos pessoas no comboio, que significou lugar sentado garantido;
– menos pessoas no comboio, que significou mais silêncio na envolvência;
– alergia com que acordei, que me deixa os olhos hiper-sensíveis à luz e com dor;
– dia solarengo, cujo brilho do sol ao passar a ponte me deixou encandeada mesmo com óculos de sol e agravou o desconforto da alergia.

Foi um desafio acrescido, focar a atenção na meditação e no que era suposto estar a fazer, quando não parava de lacrimejar e sentir picadas nos olhos como se tivesse areia lá dentro. Ainda assim, sinto-me bem sucedida no dia 6 do take 10 da Headspace; consegui focar-me na respiração, não me prender a pensamentos mas deixá-los fluir, não ficar obsessivamente na sensação de desconforto ocular quando chegou a altura de fazer o scan à sensação do corpo. Estar aqueles minutos a não pensar apenas nisso e de olhos fechados (mesmo a levar com sol na cara, que ainda me incomodava os olhos) ajudou a aliviar os sintomas.
Acrescento ainda que me deixou mais bem-disposta e com disposição para trabalhar apesar do frio e desta alergia/conjuntivite e da vontade de ficar no quentinho a devorar o resto dos doces das Festas.

Dia 7, aí vou eu! Amanhã há uma nova animação antes dos 10 minutos, vamos descobrir sobre o que será…

Desse lado, alguém anda a experimentar a meditação, ou já é praticante activo? Algum curioso?
Têm dúvidas, perguntas, curiosidades que queiram partilhar? Serão muito bem vindos, comentem, vamos falar!

Festas Felizes, ou a falta de espírito festivo

Estamos a 9 dias do Natal. Menos ainda, apenas 5 dias nos separam do Yule, Solistício de Inverno – que assinala o dia mais curto em horas de luz do ano e promete mais Sol a cada dia que passa.

Devia estar entusiasmada. Devia pensar em presentes, em comidinhas gostosas, em decorações.

Não estou. Não há foto temática nos meus perfis nas redes sociais – excepto a do anjo que adorna a frente da igreja, que ontem pus no Instagram, porque achei bonitinho. Não há árvore nem decorações lá em casa. Não há a playlist de Natal que o ano passado me atormentava com prazer todo o dia, que tenho no YouTube (em vez disso, ando a ouvir isto). Não há planos, nem presentes comprados, nem viagens planeadas.

Há vazio. Há saudade. Há dúvida. Há uma certa solidão. Há um toque de desespero – ou uma sensação de não ter chão, de estar um pouco perdida. Há questões sobre o sentido de viver como vivemos, de fazer as coisas como fazemos. Há medos primitivos sobre velhice, desamparo, doença, perda.

Creio que não estarei só neste sentimento. Creio que sei, de certa forma, que não estou. O mundo está a evoluir, a mudar e isso dói – todo o planeta está em sofrimento agora mesmo. Toda a Humanidade está em sofrimento agora mesmo. Growing pains, é a minha esperança. Uma viragem para algo diferente, melhor do que destruição e dor que temos agora. Eu estou a mudar e a evoluir e isso implica desorientação, confusão, dor, medo. Que o que cresce em mim seja diferente, melhor, também – e que consiga espalhar isso pelo mundo.

Uma parte de mim sabe que provavelmente daqui a um dia ou dois, o Espírito da época – aquela parte boa e bucólica – vai chegar a mim. Depois, logo se vê. Agora, a única coisa que quero do Natal é sossego.

Ainda assim: Festas Felizes – seja Natal, Kwanza, Hanukkah, Yule ou nada de religioso – e Paz na Terra a TODOS os Homens (e Mulheres)!

E porque hoje é dia de ensaio geral; porque amanhã é dia de concerto do Oasis Voices, no Auditório do Alto dos Moinhos às 21h, deixo aqui a pérola que me tem tocado mentalmente non-stop nos últimos dias:

 

Loucura de Novembro | November Madness

Ora então, um pequeno update: decidi tentar novamente o NaNoWriMo (National Novel Writing Month), depois de o ano passado ter fugido dele a 7 pés e em 2014 ter chegado apenas às 3000 palavras.

nanowrimo_2016_webbadge_participant

Para ajudar à festa, incentivada pela minha amiga Rita (do blog From Pemberley to Milton, espreitem!), decidi que este ano vou arriscar numa coisa que nunca fiz: Fan Fiction. [bem, se calhar fiz nos tempos áureos da adolescência, criando estórias sobre os meus ídolos musicais e heartbreakers da altura, os BackStreet Boys – que por acaso parece que estão a fazer um comeback este ano, sabiam? Coincidências espantosas!]

Ora tendo estes dados presentes, não vos será surpreendente a revelação que a minha proposta para este NaNoWriMo, em Fan Fiction, seja com base no clássico de Jane Austen, “Orgulho e Preconceito”. Se quiserem saber um bocadinho mais do que se tratará, podem ver na página: da minha novel deste ano.

Partilho com vocês esta loucura, pois sei que assim assumo um compromisso público e sinto-me mais “obrigada” a cumprir! 😀 Ajudem-me a conquistar este objectivo!

Well then, a small update: I have decided to try again doing NaNoWriMo (National Novel Writing Month), fter having fled from it like the devil from the cross last year and having only reached 3000 words in 2014.

nanowrimo_2016_webbadge_participant

To help this party, with incentive from my friend Rita (@ the From Pemberley to Milton blog, have a look there!), I decided that I was going to venture into something I have never done before: Fan Fiction. [well, I may have donesome of that during my teenage golden days, making up stories about my music idols and hearbreaker, the BackStreet Boys – who apparently are making a big comeback this year, did you know? Amazing coincidences!]

Now then, having all this data in mind, it should not surprise you when I reveal that my proposition for this NaNoWriMo, in the Fan Fiction category, is based on Jane Austen‘s classic, ‘Pride and Prejudice’. If you want to know some more about what it will be, you can check the page for my 2016 novel. (and yes, I will be writing in English, which is an added challenge for a non-native, especially because it should not be contemporary English to be historically accurate).

I am sharingthis madness with you because I knowthat taking on this project in a public manner I will feel more “forced” to comply!:D Help me conquer this objective!

=Deception of perception=

Tell me sweet little lies
that you like it
that I'm beautiful
that it's good.
Tell me small white lies
that you like me
that it's beautiful
that it's never been so good.
Say all the words
I want to hear,
I'll know they're untrue
but I won't shed a tear.
Say all those pretty words
to make my heart skip a beat.
I'll believe them all
that'll be my downfall.

                                  05 June 2011