Tag Archive | self-love

Evoluções | Evolutions

13 – Setembro – 2009
 
Sou carne, sou fraca, sou humana.
Sou carne, sou forte, sou humana.

28 de abril de 2012

Tenho falhas e defeitos, para além de qualidades. Por todos estes factores quero ser aceite e amada…e não apesar deles.
Não quero que me seja constantemente apontado o dedo aos meus defeitos e erros quando os conheço tão bem. Não se as coisas boas não são reconhecidas. Não sem a honestidade e franqueza, a aceitação e intimidade por que anseio.
Porque teimamos em acentuar os deslizes e falhanços e a abafar as realizações e sucessos dos outros? Porquê? Porquê somos tão rápidos a apontar o dedo e tão reticentes a aplaudir?
Será que me escondo assim tanto? Que a muralha que construí à minha volta é assim tão grande? Será que ninguém me vê realmente? Será que não mereço ser amada, aceite, apoiada?
Estarei destinada à solidão? Já não bastará aquela que sinto constante?
“Cada ser humano é um universo.” Haverá algum universo que queira compartilhar-se com o meu? Será o meu micro-cosmos um que não tem compatibilidade nem lugar para estar com mais nenhum?
Tantas vezes me ponho estas perguntas e tantas mais acabo sem respostas. Aliás, nunca obtive resposta. Serei a única a perguntar-me? Serei a única a não obter respostas? Estarei, também nisso, só?
family
Que bom que hoje já sei onde me encontrar, que já tenho universos onde o meu pode pousar e vice-versa. Meus queridos amigos, nem sonham o quanto têm sido essenciais para manter a minha sanidade (mesmo que às vezes pareça que já a perdi).
Adoro-vos a todos!
S
PS – Hoje, 19 de Abril de 2016, mantenho estas palavras finais. Grata a todos os que me têm acompanhado nesta jornada e neste crescimento, o meu coração é vosso.
Advertisements

Renovação | Renewal

Reencontrei-me no espaço entre luzes e sombras.
Descobri-me nos passos lânguidos e nervosos de quem se passeia sob olhares de escrutínio.
Vi-me pelos olhos das estrelas e mudei.
Gostei do que vi, descobri, reencontrei.
Aprendi que ser é simplesmente isso: ser. É-se, está-se, fica-se.
E há quem nos ame por isso, independentemente de tudo.
Hoje, acordei e gosto mais de mim.
Confio em mim.
Os meus limites serão sempre mutáveis.
Sei que sou capaz.
E sinto-me bem!

I have rediscovered myself again between lights and shadows.
I have found myself in the dragged out and nervous steps of those who walk
under scrutinizing eyes.
I have seen myself through the eyes of the stars and I changed.
I liked what I saw, what I’ve discovered, what I found again.
I have learned that being is simply that: being. One is, something; one is, somewhere; one stays, some place.
And there are those who love us for that, no matter what.
Today, I woke up and and like myself more.
I trust in me.
My boundaries and limits will always be changeable.
I know I can do it.
And I feel good!