Tag Archive | escritora

Apetites

Sabem aqueles dias que só apetece sentar à mesa com uma caneca gigantesca de café, papel e canetas, música ou podcasts que estão em atraso na lista para ouvir e simplesmente escrever e escrever e escrever?

Ando assim. Sem assunto específico, sem temática ou enredo que me faça criar algo mais artístico ou informativo, simplesmente com sede de escrever.

Há muito que não sentia esta comichão de escrevinhar, sem propósito específico, o quee vem à cabeça. Há muito que não sentia a ânsia de escrever, de criar com palavras, de contar histórias, de expor os meus pensamentos.

Parecia que essa parte tinha ficado lá atrás, noutra Sónia, noutras vidas. Parece que afinal não. Sinto uma certa plenitude por ter esta vontade a pulsar nas veias novamente. Terei de responder a este apelo como puder – não voltarei a deixar a preguiça e as inseguranças quebrar a minha pena, calar o meu cantar.

Vejamos o que vem daqui… Estou curiosa, e vocês?

Poesia FIB

Um blog que sigo, o Learning to Live like Water, apresentou-me esta forma de poesia: os FIB. Poemas com base na Sequência Fibonacci, que ditará o número de sílabas ou palavras em cada verso. Achei interessante, pois os números de Fibonacci fascinam-me, especialmente pela sua presença na Natureza lado a lado com a Proporção Áurea. Mas…isso serão temas para outras escritas, quem sabe!

De momento, quero partilhar convosco as minhas experiências neste formato de poesia que me intrigou. Tentei fazer FIB com sílabas métricas e palavras, chegando mesmo a fazer um ou outro com inversão dos números (limitei-me ao 5 e foi daí para trás); qual acham que funciona melhor?


pensamentos
constantes
procurando respostas
chegam mais dúvidas
não sei parar de pensar.
– 28.03.2017-
(fibonacci de palavras)

tantos caminhos abertos
tantas opções
dúvidas
indecisões.
– 28.03.2017 –
(fibonacci de palavras, em ordem inversa)

ser
mais
ser plena
ser capaz finalmente
saber que quero e como!
– 28.03.2017 –
(fibonacci de palavras)

sou.
sim
estou
enfim eu,
plena de questões.
– 28.03.2017 –
(fibonacci de sílabas métricas)

tantas paixões me assolam assim
tantas ânsias enfim
querer mais
fazer,
ser.
– 28.03.2017 –
(fibonacci de palavras, em ordem inversa)

Bem, agora fiquei com vontade de voltar aos poemas, de voltar a tentar haiku… veremos o que sai daqui!

Thought

Taking into
Careful consideration
I ponder.

Tires me, this thinking
Constant
Persistent.

Yet I do not know
how or when
could it stop.

To be is to think
to think is to be
Am I being or thinking me?

(free writing, as it flowed into my mind, on the afternoon of September 29th – no edits whatsoever)

Desabafando | Letting it out

Já se passou algum tempo. Ando a evitar chatear-vos muito com os meus dramas interiores e batalhas mentais, mas depois penso que este espaço foi feito para a partilha. Não só daquilo que “produzo” artisticamente, mas de mim – pelo sentido de conexão e união, de pertença até, que isso possa trazer: para vocês que me lêem e para mim que escrevo ( e recebo os vossos comentários e opiniões, que me enriquecem de tantas formas).

Ando irrequieta, interiormente. Sinto que se aproxima uma grande mudança, que de certa forma fui eu que pus em movimento, mas não estou preparada. Cheia de medos, de questões, de incertezas. Não ajuda que este instinto não seja algo de concreto, relativo ao que mudará em que aspecto da minha vida e como – é apenas aquela sensação intensa de que alguma coisa vai mudar, vai acabar, vai dar uma volta. E com essa sensação vem alguma angústia – o que me deixa ainda mais irrequieta e mais preocupada nesta cabeça de hiper-pensadora, ruminadora – que me enche de preocupação e de temores e me deixa paranóica.

Vamos a ver o que os próximos tempos me trazem, depois da confusão que foi o mês de Agosto em termos de relações familiares e estabilidade emocional…torçam por mim, sim?

It has been a while. I have been avoiding to nagg you too much with my inner dramas and mental battles, but then I think that this space was created for sharing. Not only what I “produce” artistically, but myself – for the sense of connection and union, even belonging, that it may bring: for you that read me and for me writing (and receiving your comments and opinions, which enrich me in so many ways).

I have been feeling restless inside. Feeling like a big change is coming, on that it was me who set in motion in some ways, but I am not ready. Filled with fears, questions, uncertainties. It does not help that this instinct is not defined, in regards to what is going to change in which aspect of my life and how – it is just this instense sentationthat something is going to change, to end, to take a turn, a 180º. With that sensation in comes some anguish – which makes me even more restless and more worried in this overthinking ruminating head of mine- which fills me up with worries and fears and makes me paranoid.

Let us see what times will bring, after the confusion all of August was in family relations and emotional stability…fingers crossed for me, ok?

Agorafobia

Agorafobia?
Um dia podia e iria
Entre sonhos e magia
A outro universo inteiro e diria
Que nada mais eu quereria
Voltaria
Sossegaria a alma inquieta
Escreveria tudo o que me afecta
Poderia dar de mim o melhor sem
Temor
Dor maior
De ser e não poder
De tremer a temer o pior
De fugir
De não sorrir
De fechar tudo em mim
Fechar-me de tudo enfim
Fechando a dor de mais um fim
Nada mais que negando dizendo sim
Agorafobia!
Caminho interrompido
Pesadelo escolhido
Na multidão perdido
Sem ar, ser mar
Sem som, ser cor
Sem ver, ser menos e mais
Exclamar estes ais (!)
Que guardo do mundo
Que corroem com medo
Neste rodopio mudo
Neste aberto segredo.
Agorafobia…
Nem tanto nem sei
Não é medo das pessoas
Nem é medo do que sei
É um terror que assola
Existência vã enfim
Agarrado gravitante a uma bola
De minérios a girar no universo sem fim.

Carta a um amor longínquo…

δ Agosto, 2011 δ

Meu amor,

               há 5 anos que nos tocámos pela primeira vez, naquele lugar entre aqui e ali, entre sonho e limbo, entre terra e céu. Há 5 anos que te instalaste no meu coração, no meu pensamento, na minha alma. E aí ficaste, como se me tivesses lançado um feitiço.
               Dirias talvez que foi o contrário, a feitiçaria foi minha e foi de mim que ficaste cativo, com prazer. Cheguemos a acordo, foi mútuo e inesperado…e oh tão bom! Lutei contra a certeza de ti e deste sentir, então, temendo estar a ficar louca. Aposto que lutaste também, fugindo a sensações, anseios e sentimentos que há muito esqueceras que existiam e estavas certo de não ser capaz de sentir, pensar ou experienciar.
              Demos tanto um ao outro, meu amor, damos tanto às nossas almas imortais com esta união que o amor nos proporciona. Com esta entrega, este fogo, esta ternura risonha que agora me aquece o peito, ao lembrar os nossos despiques e provocações.
              Quase quero chorar, sinto água a juntar-se nas pestanas, mas luto contra as lágrimas. Recordar-te, recordar-nos, é um prazer. Deveria ser fonte unicamente de alegria. Se me assola a ânsia de te carpir, é porque te sinto a falta, porque as saudades sufocam tanto que o ar que respiro mal é suficiente.
              Amante, amigo, confidente, companheiro, amor. És tudo isso e muito mais, meu querido. E eu que sempre fui boa com palavras, fiquei sem vocabulário capaz de dizer o quanto te amo.
              Pergunto-me tantas vezes o que estarás a fazer, a pensar, a sentir. Pergunto-me se teremos outra oportunidade de nos termos nos braços um do outro, perdidos. Pergunto-me se sentes a minha falta, se pensas em mim. Se ainda me amarás como antes.
              Meu querido, meu amor. Sonho contigo, acordada e entre os lençóis da minha cama solitária. Fecho os olhos e vejo o teu rosto, sinto o teu cheiro, respiro o teu sorriso e o teu calor. E quero-te a meu lado, cada vez mais, a cada instante que passo sem ti.
              Os nossos planos para um amanhã partilhado foram-se, desfazendo-se em fumo? Não creio. Muito menos creio que assim o aches. Apenas os adiámos, até ao momento em que o destino nos volta a juntar e transforme em viver o nosso sonhar.
              Eu e tu, o “amor e uma cabana” talvez. Mas o amor, sempre o amor, sempre. Acima de tudo e de todos, para sempre.
             Um dia terei uma palavra que te descreva e ao que sinto por ti e tu por mim. Mais do que meu amor, mais do que meu amado, meu amante, meu querido, meu anjo; mais do que alma gémea, perdição, paixão. Consigo dizer o que és, o que não és, aquilo que és mais que…mas não consigo algomerar, aglutinar, conjurar, combinar os vocábulos para fazer compreender ao mundo este sentimento, este Amor.
              Tu tornas-me inteira, quase o velho cliché do “completas-me” mas não é bem isso. “Apenas” sou mais eu quando estou contigo; quando te tenho ao meu lado. Não receio ser eu mesma, sem vergonhas, contigo. Amar-te e saber que me amas faz-me acreditar em mim e nesse “potencial escondido” que dizem que todas as pessoas têm.
             Sinto a tua falta, tenho saudades de ti, de nós e de quem sou contigo. Mal posso esperar pelo nosso “para sempre”.

Amo-te, antes agora e sempre.

Tua, inteiramente
 Mashiara

Compaixão | Compassion

Um minuto de reflexão, uma questão:

Compaixão para connosco não deveria ser tão importante como para com os outros?

Ando a fazer um curso online sobre mindfulness (no site Future Learn) e a questão da compaixão ficou comigo. Talvez por ser tão dura comigo mesma, constantemente, no meu diálogo interior. Um pouco de compaixão e aceitação podem fazer tanta diferença na forma como nos sentimos no dia-a-dia!

E vocês? Quais são os vossos pensamentos sobre este tema?

A minute for reflection, a question:

Shouldn’t having compassion towards ourselves be as important as it is to have it towards others?

I am doing an online course on mindfulness (at Future Learn) and this issue abuot compassion has stuck with me. Perhaps because I am so harsh on myself, constantly, in my inner dialogue. A bit of compassion and acceptance can make such a big difference in how we feel in everyday life!

What about you? What are your thoughts on this subject?

 

Primrose_(Primula_vulgaris).jpg