Desconstrução | Deconstruction

Tenho andado a dar umas voltas à minha poesia e  continuo a encontrar estas coisas viscerais…como este: ‘Comoção’

Been taking a stroll through my poetry and I keep finding these visceral thing hanging about… like this one: ‘Comotion’

Corrói-me o ar,
Ao tocar minha pele.
Destrói veias e artérias,
Deteriora-me o sangue e o ser.
Esmaga-me com a pressão,
Comprime-me de gravidade,
Constrange minha alma…
Sufoco, de dentro para fora!
Sou corpo em decadência,
Espírito decomposto,
Alma trucidada.
Sou um tudo nada,
Amostra de humano
Que se arrasta
Ao invés de viver.
Rasga-me o peito,
Estilhaça-me o ventre,
Decepa-me os sentidos
E as terminações nervosas.
É isso que fazes,
Abominável recordação de ser,
Traidor sem nível,
Ser humano de segunda categoria.
Tudo porque
Um dia
Gostei de ti.

30 de Abril de 2008

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s